Home

961.   O Que Há Realmente no Interior de uma Pirâmide


  As pirâmides do Egito guardaram seus segredos por mais de 4.500 anos.

  Agora, egípcios e especialistas estrangeiros começaram a revelar seus mistérios com o auxílio de partículas espaciais.

  A equipe está usando "raios cósmicos" para criar mapas que mostram as estruturas internas destas antigas maravilhas – e eles dizem que elas podem guardar algumas surpresas.

  Semana passada, arqueólogos revelaram os primeiros resultados de seu trabalho envolvendo a Pirâmide Inclinada, 25 milhas (40 km) ao sul do Cairo.

  As imagens 3D mostram as câmaras internas da estrutura com 4.600 anos de idade, assim como revelam claramente a forma de sua segunda câmara.

  Localizada na necrópole real de Dahshur, a pirâmide inclinada foi uma das primeiras a ser construída sob o faraó Sneferu do Velho Reino.

  Mehdi Tayoubi, presidente do Instituto de Preservação e Descoberta do Patrimônio, disse que placas instaladas dentro da pirâmide coletaram dados de partículas radiográficas conhecidas como “muons”.

  Os muons chovem a partir da alta atmosfera da Terra, onde são criados pelo impacto de raios cósmicos. As partículas passam através de espaços vazios, mas podem ser absorvidas ou defletidas por superfícies duras.

  Estudando as partículas acumuladas, os cientistas podem aprender mais acerca da construção da pirâmide.

  Ela tem duas entradas, que abrem para dois corredores levando a duas câmaras funerárias construídas uma sobre a outra.

  Foi sugerido que o faraó Sneferu foi sepultado no interior da pirâmide em uma câmara oculta, mas os recentes escaneamentos eliminaram essa possibilidade.

  “A partir destas placas, mais de 10 milhões de trilhas de muons foram analisadas”, disse Tayoubi, que é também co-diretor da missão ScanPyramids, ao Discovery.

  “Contamos os muons e de acordo com sua distribuição angular somos capazes de reconstruir uma imagem”, disse Tayoubi.

  “Pela primeira vez, a estrutura interna de uma pirâmide foi revelada com as partículas muon.”

  “As imagens obtidas mostram claramente a segunda câmara da pirâmide localizada aproximadamente 60 pés acima da câmara inferior na qual placas com emulsão foram instaladas”, acrescentou ele.

  “Para a construção das pirâmides, não há uma única teoria que seja cem por cento provada ou testada, todas elas são teorias e hipóteses”, disse Hany Helal, vice-presidente do instituto.

  “O que estamos tentando fazer com a nova tecnologia, é que gostaríamos de confirmar, mudar, aperfeiçoar ou modificar as hipóteses que temos sobre como as pirâmides foram construídas”, disse ele.

  A pirâmide inclinada de Dahshur, logo fora de Cairo, destaca-se pela dupla inclinação de seus lados.

  Acredita-se que foi a primeira tentativa no antigo Egito de se construir uma pirâmide com os lados lisos.

  O projeto ScanPyramids, que anunciou em novembro anomalias térmicas na pirâmide Khufu em Giza com 4.500 anos de idade, está reunindo tecnologia térmica com análise de muons para tentar abrir segredos da construção de várias outras pirâmides egípcias.

  Tayoubi disse que o grupo planeja começar preparações para o teste de muons dentro de um mês em Khufu, a maior das três pirâmides de Giza, que é conhecida internacionalmente como Keops.

  “Mesmo se encontrarmos um metro quadrado de vazio em algum lugar, isto nos dará novas questões e hipóteses, e talvez nos ajude a resolver de modo definitivo as questões”, disse Tayoubi.

  A equipe também estará usando escaneamentos infravermelhos 3D e lasers para estudar as pirâmides em Giza e as duas em Dahshur.

  A mesma tecnologia, dizem eles, poderia também ajudar a achar uma possível tumba escondida na câmara funerária de Tutancamon que poderia pertencer à Rainha Nefertiti.

  Muitas missões anteriores tentaram desvendar os mistérios das pirâmides, mas os cientistas ainda têm que apresentar uma teoria concreta explicando como as estruturas foram construídas.

  A pirâmide de Khufu, também conhecida como a grande pirâmide de Giza – a mais alta de todas as pirâmides – foi construída pelo filho de Snefru, o fundador da Quarta Dinastia (2.575 a 2.465 a.C.), e a pirâmide de Khafre ou Quefren foi construída pelo filho de Khufu.

  As duas pirâmides em Dahshur foram construídas por Snefru.

  “A idéia é encontrar a solução para o mistério das pirâmides”, disse Tayoubi.

  “Uma tentativa similar foi feita 30 anos arás, mas este é o primeiro projeto a nível global com o uso de tecnologia de ponta para olhar dentro das pirâmides”, disse ele.

  Espera-se que o projeto ScanPyramids dure até o final deste ano.

Fonte : Daily Mail, 06/05/2016

Autor : Ellie Zolfagharifard



Semana passada, arqueólogos revelaram os primeiros resultados de seu trabalho envolvendo a pirâmide inclinada, 25 milhas (40 km) ao sul do Cairo. As imagens 3D mostram as câmaras internas da estrutura com 4.600 anos de idade, assim como revelam claramente a forma de sua segunda câmara

Egípcios e especialistas estrangeiros começaram a revelar seus mistérios com o auxílio de partículas espaciais. A equipe está usando “raios cósmicos” para criar mapas que mostram as estruturas internas destas antigas maravilhas – e eles dizem que elas podem guardar algumas surpresas

A pirâmide inclinada de Dahshur, logo fora de Cairo, destaca-se pela dupla inclinação de seus lados. Ela tem duas entradas, que abrem para dois corredores levando a duas câmaras funerárias construídas uma sobre a outra

Placas com emulsão instaladas dentro da pirâmide coletaram dados de partículas conhecidas como “muons”

O projeto começará ao sul do Cairo com o escaneamento da assim chamada Pirâmide Inclinada de Dahshur, seguida pela Pirâmide Vermelha próxima a ela. Mais tarde, as duas maiores pirâmides no planalto de Giza também serão escaneadas. As estruturas têm mais de 4.500 anos de idade

<p align="center"> <font face="tahoma" size=4> <a href="Menu_alternativo.htm" target="_top"> <font color="ff0000">Voltar para o Menu Alternativo</font> </a> </font> </p>