Home

964.   Um Passo Mais Perto da Energia Ilimitada


  O mais novo reator de fusão britânico foi ligado e levou o mundo um passo adiante no objetivo de gerar eletricidade com a energia das estrelas.

  O coração do reator Tokamak ST40 – uma nuvem super-quente de gás eletricamente carregado, ou plasma – deve alcançar ano que vem a temperatura de 100 milhões de graus centígrados.

  Esta é a temperatura que ele deve alcançar para disparar a fusão, a junção de núcleos atômicos acompanhada de enorme desprendimento de energia.

  E por volta de 2030, o reator fornecerá energia limpa para a rede nacional do Reino Unido, de acordo com seus criadores, a Tokamak Energy.

  A fusão envolve colocar átomos de hidrogênio sob calor e pressão elevados até que eles se fundam em átomos de hélio.

  O mesmo processo permite às estrelas brilhar e de um modo menos controlado fornece o poder destrutivo das bombas H.

  O novo reator foi construído em Milton Park, Oxfordshire, pela Tokamak Energy, uma companhia privada pioneira da energia de fusão no Reino Unido.

  É o terceiro upgrade do reator da Tokamak Energy e representa o último passo de um plano de cinco estágios para trazer a energia de fusão à rede elétrica nacional por volta de 2030.

  A energia de fusão traz a promessa de suprimentos quase ilimitados de energia limpa. Ela usa formas especiais de hidrogênio (os isótopos deutério e trítio) como combustível, não produz gases de efeito estufa, e o único resíduo produzido é o hélio.

  Mas travando e atrapalhando as poderosas forças envolvidas está um desafio assustador.

  O plasma, que a 100 milhões de graus é sete vezes mais quente que o centro do Sol, deve ser mantido em uma “garrafa magnética” em forma de rosca.

  E algum meio também deve ser encontrado para transformar a energia das partículas elementares em rápido movimento, em eletricidade.

  Falando depois que o reator ST40 foi oficialmente ligado e produziu seu “primeiro plasma”, o chefe executivo da Tokamac Energy, Dr. David Kingham disse: “Hoje é um dia importante para o desenvolvimento da fusão nuclear no Reino Unido e no mundo.”

  “Estamos mostrando o primeiro dispositivo de fusão controlada do mundo que foi projetado, construído e operado por uma empresa privada.”

  “O ST40 é a máquina que demonstrará que temperaturas de fusão – 100 milhões de graus – são possíveis em reatores compactos e de baixo custo.”

  “Isto tornará a energia de fusão acessível em anos, não em décadas.”

  Ele declarou que o projeto, agora a meio caminho do objetivo da energia de fusão, ainda necessita de “investimento significativo”.

  Até o momento, a companhia gastou 20 milhões de libras de financiadores privados.

  O Dr. Kingham acrescentou: “Nossa abordagem continua a ser dividir o caminho em uma série de desafios de engenharia, fazendo investimentos adicionais ao alcançar cada nova etapa.”

Fonte : Daily Mail, 28/04/2017

Autor : Daisy Dunne



A foto mostra o Tokamak ST40, que foi ligado e levou o Reino Unido um passo adiante no objetivo de gerar eletricidade com a energia das estrelas

Por volta de 2030, o reator fornecerá energia limpa para a rede nacional do Reino Unido, de acordo com seus criadores, a Tokamak Energy

O reator da firma usará a configuração “tokamak esférico” – uma máquina experimental projetada para controlar a energia da fusão. A imagem mostra a estrutura da bobina magnética do ST40 com o plasma (em púrpura) no interior

Uma combinação de dois conjuntos de bobinas magnéticas cria um campo tanto na direção vertical como na horizontal, atuando como uma “gaiola” magnética para aprisionar e moldar o plasma

<p align="center"> <font face="tahoma" size=4> <a href="Menu_alternativo.htm" target="_top"> <font color="ff0000">Voltar para o Menu Alternativo</font> </a> </font> </p>